Comentários de Bruce Lee sobre o Caminho Marcial – 3/10

PREFÁCIO – Por Ted Wong

Imagem

É um trabalho mental em saber como começar este prefácio. Afinal, como é que uma pessoa pode colocar em poucos parágrafos a magnitude do que me foi dado por um homem como Bruce Lee? Ele foi meu mentor, meu mestre, meu assessor pessoal, e, o mais importante, meu melhor amigo. Ele me ajudou a confiar em mim mesmo, ele me ensinou a como me relacionar com outras pessoas, me ensinou sobre a vida, o mundo, meu lugar nele, a natureza das relações, saúde, condicionamento (mental e físico), espiritualidade, e, claro, me deu centenas de horas de seu tempo me ensinando a arte do Jeet Kune Do dele.

Simplesmente reconhecer a magnitude da dívida que tenho com Bruce Lee me faz perceber como unilateral nosso relacionamento era. Ele era o doador e eu o receptor disposto de seus dons. Sim, ele, obviamente, me considerava mais do que simplesmente um estudante e eu estava orgulhoso – extremamente orgulhoso – por ser considerado seu amigo. E embora eu tenha aprendido muito, se não tudo, que eu sei sobre arte marcial diretamente de Bruce Lee, ter tido o enorme privilégio de passar aproximadamente seis anos, em estudo privado com ele, as conversas pós-treino, no carro com discursos durante idas em livrarias e lojas de materiais de artes marciais, os risos que compartilhamos em nossos restaurantes chineses favoritos, encontros em família e experiências apenas gerais do dia-a-dia com ele que tornaram-se os meus mais preciosos momentos.

Pois é testemunhar em primeira mão como a pessoa leva a vida que se ganha uma visão sobre o caráter de outra pessoa. E, com base em minhas observações (dos quais havia abundância), o personagem de Bruce Lee era pura platina.

Se você tivesse a sorte de ser seu amigo, não havia ninguém tão leal e dedicado como Bruce Lee. Se você tivesse para baixo, ele seria o primeiro a tentar animá-lo, se você precisava de dinheiro e ele tinha, ele te concedia, se você tivesse mal, ele iria te dizer histórias e piadas que te levantaria ainda mais. Muitas palavras vêm à mente quando penso sobre Bruce, mas as duas que vêm à mente com mais frequência são “grande companhia”. Eu nunca conheci uma pessoa que eu mais gostasse de passar o tempo junto. Não só era intelectualmente gratificante para passar o tempoem sua presença, mas foi uma experiência emocionalmente inspiradora também. Minha alma realmente se sentia fortificada no final de um dia passado com Bruce.

Tive a sorte de ser capaz de treinar e compartilhar experiências de vida com Bruce em Los Angeles, Oakland e Hong Kong.

Lembro-me de ir visitá-lo em sua casa em Bel Air depois que ele machucou as costas em 1970, em que foi forçado aficar na cama por seis meses. No entanto, durante esse tempo – e fiel à sua filosofia de “transformar um obstáculo emum degrau” – Bruce não reclamava e nem lamentava este acontecimento, aparentemente cruel, do destino. Em vez disso, ele começou a escrever – e seus escritos eram volumes cheios (sete deles, na verdade). Fiquei maravilhado então (e novamente, agora que penso nisso) como produtivo e artístico ele era – mesmo estando ferido.

Os seres humanos que são fracos teriam simplesmente desistido, mas, com certeza, Bruce Lee estava longe de ser esse tipo de ser humano. Ele sempre foi um grande homem, uma fonte de inspiração e modelo para não apenasindivíduos de ascendência chinesa, tais como a mim mesmo, mas para todas as pessoas que valorizam, como Bruce fez,o potencial do espírito humano para a realização e produção de trabalhos de grande e duradoura qualidade.

E enquanto algumas das crenças combativas, filosóficas e ilustrações que Bruce havia se comprometido em transpor no papel durante este período de sua convalescença tornou-se “O Tao of Jeet Kune Do” (Ohara Publications,1970), muitos dos estudos de Bruce não foram para esta edição na época. E são esses outros escritos que faltaram que encheram este livro, em combinação com um material incrível nunca antes visto escrita e fotografada de Bruce,que eu acredito ter feito deste livro, “Jeet Kune Do: Bruce Lee’s Commentaries on the Martial Way, a apresentaçãodefinitiva do maneira que Bruce Lee estudava a arte marcial.

Desenho de diversas e autênticas matérias-primas, com seções sobre técnicas de combate, metodologia detreinamento, a filosofia, as crenças motivacionais / inspiradas, planos de aula, estratégias de ensino / treinamento, bem como os próprios comentários de Bruce sobre o desenvolvimento histórico da sua arte, este é um livro quemerece ser lido, relido, estudado, e serviu mais uma vez não só por aqueles que compartilham um interesse sério na preservação e perpetuação da arte de Bruce Lee do seu Jeet Kune Do, mas aqueles que também procuram enquadraruma imagem mais precisa da verdadeira natureza do caráter de Bruce Lee. Este livro capta com precisão a personalidade e as crenças sobre um vasto leque de temas que é a coisa mais próxima que eu já experimentei com o que foi realmente o gosto de treinar em particular com Bruce Lee é a essência dele.

Eu o prazer de observar tanto a quantidade e o calibre do material que foi reunido neste livro pelo meu bom amigo e historiador da vida de Bruce Lee, John Little. Conheci John em 1993, e desde então temos juntos uma próxima amizade, com muitas sessões de treinamento e discussões em conjunto. Ambos compartilham um interesse comum e objetivo na arte e na filosofia do Jeet Kune Do. Com uma energia incansável, John passou uma tremenda quantidade de horas durante os últimos quatro anos de sua vida em unir este livro. Ele fez muitos sacrifícios pessoais, mesmo suportando dificuldades financeiras. Ele vasculhou, leu e estudou seis mil páginas de anotações de Bruce e documentos pessoais, estudou e entrevistou muitos dos alunos e amigos originais de Bruce minuciosamente para finalmente montar uma série de livros em volumes que será perfeitamente esclarecem Bruce Lee “Commentaries on the martial way”.

Eu considero John Little ser uma das pessoas mais importantes em termos de seu conhecimento sobre este assunto, e sua sinceridade, respeito e lealdade para preservar e perpetuar verdadeiros ensinamentos de Bruce, e ter dado uma nova visão sobre a arte do Jeet Kune Do. Estamos muito felizes de ter John assumido a tarefa de editar materiais de Bruce para as gerações futuras aprenderem sobre Bruce Lee e sua arte. Mais importante, John não quis apenas promover Bruce como um grande artista marcial, mas também como um filósofo e o transmissor dessa verdade.

A enorme dívida de gratidão também é de Linda Lee Cadwell, a esposa de Bruce de nove anos e a senhora na qual Bruce me disse uma vez foi “diretamente responsável” pelo seu sucesso. Linda tem méritos e permaneceu leal ao Bruce e não era apenas a mãe de seus dois filhos, Brandon e Shannon, mas, na minha opinião, ela é também a mãe espiritual do Jeet Kune Do pois, sem ela entrar em sua vida e ser o yin ao seu yang, Bruce teria que trabalhar de nove a cinco empregos e, assim, foi privado do tempo necessário para criar uma bela arte tal e compartilhá-lo com o mundo.

Jeet Kune Do é uma arte marcial única em ser a primeira que não se baseia apenas na tradição. Concedido, Jeet Kune Do possui técnicas específicas e distintivas e um currículo que Bruce pensava importante o suficiente para ensinar a todos os seus alunos. No entanto, isso é visto mais como uma “plataforma de lançamento” a partir do qual o praticante inicia sua excitante jornada de auto-descoberta e auto-expressão. Na verdade, para realmente ascender aos aspectos mais elevados desta arte, realmente tem que fazer isso por conta própria. O que Bruce está nos oferecendo nas páginas deste livro e as lições pessoais que ele ensinou para aqueles de nós, que teve a sorte de ter estudado com ele, é uma receita para a liberdade – tanto em combate e na vida do dia-a-dia – e que a prescrição encontra-se na descoberta de que já estamos livres, nós simplesmente temos que estar dispostos a fazer a lição de casa necessária para realizá-la.

Quando eu ouço as pessoas dizerem “Você não deve se preocupar em treinar como Bruce Lee fez, para seguir seus ensinamentos, pois você não possui os seus atributos”, percebo que perdi o ponto, como o que Bruce Lee era tinha sobre. Ele frequentemente nos dizia que ele não era nada de “especial”, mas sim que ele era simplesmente um treinador muito dedicado. Bruce era tão bom porque se fez tão bom. Ele praticava o tempo todo e, em seguida, procurou maneiras de fazer a sua prática ainda mais eficiente. Se você só trabalhar 20 minutos por dia, ou três dias por semana – Quero dizer, se isso é tudo o que você está disposto a se comprometer com a sua formação no Jeet Kune Do – então, sim, seria impossível para você obter os atributos semelhantes aos de Bruce porque ele praticou longo e dificilmente para cada centímetro de progresso que ele teve. Não espere pelos resultados semelhantes a de Bruce Lee, a menos que você esteja disposto a colocar as horas que Bruce Lee colocou para obtê-los.

Eu sei que quanto mais eu pratico o que Bruce me ensinou, melhor eu fico nisso – e o mesmo vale para quem aplica o que lê neste livro. Eu sempre olhei para Bruce Lee com esta ética de trabalho. E mesmo agora, se eu me vejo sentado, não podendo treinar, minha memória logo correu na imagem de Bruce Lee, e como ele trabalhou duro, e eu me sinto culpado por não ter mais fé no potencial de minha capacidade.

1618122_620290794692472_1617661891_o

Bruce sempre enfatizou a necessidade que temos de experimentar o que ele estava nos ensinando. Não experimentando no sentido de um test-drive, onde você tentar alguma coisa e se por algum motivo ele “parece” com um ajuste ruim, você irá descartá-lo. Em vez disso, Bruce queria praticar com afinco sobre o que ele compartilhou com a gente, não por horas ou até mesmo dias, mas durante anos. Ele queria praticar em coisas como a posição de guarda, movimentações ou footwork, o soco principal, cruzado, o gancho, o jab de dedo, o chute lateral, o pontapé de gancho, e assim por diante, até que se tornasse a segunda-natureza em nós. Este tipo de “experimentação” leva anos, mas vale bem a pena o tempo investido, porque você acaba aprendendo muito sobre si mesmo e, por extensão, você aprende coisas importantes sobre os outros também. Por um lado, você aprende sobre a semelhança que todos nós compartilhamos como seres humanos e como é possível alcançar a eficiência em coisas como o movimento, a produção de força e combate. Tudo que você tem a fazer é estar disposto a trabalhar para isso.

Este livro é o seu roteiro para uma emocionante viagem de auto-conhecimento. Ele tem valor em ser um indicativo para ajudá-lo no processo de seu próprio desenvolvimento pessoal. E então, no final da viagem, você pode jogá-lo para que sempre tenha o aprendido o significado de uma das declarações mais significativas de Bruce:

“O remédio para o meu sofrimento, eu tinha dentro de mim desde o início”.

Nota: Ted Wong é considerado um dos homens mais bem informados do mundo sobre a arte de Bruce Lee. Wong foi aluno particular de Bruce Lee, de 1967 até a morte de Lee, em 1973. Os diários de Lee revelam que ele e Wong se reuniram em pelo menos 122 ocasiões separadas. Wong recebeu a certificação em Jeet Kune Do diretamente do próprio Bruce Lee.

Organização Brasileira de Jeet Kune Do (OBJKD)
http://www.objkd.com.br/
https://www.facebook.com/OBJKD

Postado por: Vinícius Lee

Deixe o seu comentário e divulgue o nosso blog!
Curta a nossa página: http://www.facebook.com/bruceleebr
Siga-nos no Twitter: http://www.twitter.com/#!/brucelee_br
Participe do grupo: http://www.facebook.com/groups/bruceleebrasil

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s